RETALHOS – O embarque para a guerra IV (fim)

…/… A tropa do exército, vinha de vários pontos do País em quantidade suficiente para encher o navio. Desfilava em continência perante as altas esferas militares, com as senhoras do Movimento Nacional Feminino e da Cruz Vermelha a distribuírem lembranças e folhetos sobre o território de destino. Depois de os mandarem para a guerra ainda tinham que prestar vassalagem aos senhores da guerra que depois da cerimónia, da entrega de mais de um milhar de jovens para a guerra, regressariam sem remorsos para os faustosos sofás dos ministérios do Terreiro do Paço. Felizmente dessa nos livrámos. Subimos directamente o portaló do navio sendo instalados em 2ª classe, em camarotes, como se fossemos diferentes dos demais militares, tal era o estatuto que uma Tropa Especial da Força Aérea dispunha. Os soldados do exército, vulgo feijão verde, estavam mal preparados para a guerra pois, pouco mais sabiam do que marchar. Em menos de meio ano, lá estavam os verdadeiros sacrificados pela guerra, como se de animais se tratassem, a serem alojados em beliches armados nos porões negros do navio. As famílias apinhavam-se nas varandas da gare marítima com lenços a acenar. As despedidas das famílias, o coro dos lamentos gritado por milhares pessoas são momentos muito difíceis de descrever. As lágrimas que derramei, embora disfarçadas, foram de solidariedade para com as mães dos muitos companheiros de viagem. Nenhum familiar meu se foi despedir porque o norte ficava muito longe e a vida difícil não o permitia. Olhava para os militares pendurados em tudo quanto era sítio a lutar por um lugar no convés, nas baleeiras, ou a trepar aos mastros, para os últimos acenos. A sirene apitava e, durante alguns anos, a instalação sonora tocava uma marcha intitulada “ANGOLA É NOSSA” independentemente do destino – um ritual abandonado nos anos mais próximos do fim da guerra. “Carne p’ra Canhão!!!” era esse o sentimento que a marcha militar deixava… a alguns milhares de jovens que não sabiam se regressariam sãos e salvos. Enfim era a dita “guerra do ultramar” que nos esperava. Por volta do meio-dia, o navio recolhia o portaló e os cabos. Afastava-se lentamente, virava a proa à foz do Tejo, passava por baixo da ponte do ditador, hoje ponte 25 de Abril, e deslizava diante da Torre de Belém. A fome já apertava e eram dadas instruções para a primeira refeição a bordo. Ainda tenho bem presente o afastamento do navio do cais. Vi a multidão com rostos algo crispados a acenar os lenços e milhares de pessoas com as lágrimas escapando do choro compulsivo. Já não se avistava o cais, mas ainda se ouvia o gritar lancinante das mães. Esses gritos acompanharam-me durante os nove dias de viagem. Foram terríveis os momentos do despegar do solo pátrio a caminho do desconhecido da guerra. Por mais cerimónias ou levantamento da moral das tropas, sabíamos que nem todos voltariam. Muitos de nós regressariam embrulhados em caixões, outros deixariam por lá as botas decepadas pelas minas, mas todos sabíamos que não mais seríamos os mesmos jovens que agora nos mandavam mar dentro. Puta de vida esta…

Anúncios
Explore posts in the same categories: ... da Guerra

3 comentários em “RETALHOS – O embarque para a guerra IV (fim)”

  1. Gwendolyn Says:

    Como é estúpida uma guerra, que mobiliza tantas pessoas a tal sofrimento em nome de que?
    Em nome de um poder irreal, de algo que o próprio ser humano desconhece dentro de si mesmo, pois se reconhecesse esta “sombra” abominaria por completo o que estava fazendo.
    Como é bom saber de tudo isto que escreves, e tão bem, para refletir sobre o que nos leva as nossas “pequenas guerras” do dia a dia, em favor destas “sombras”.

    beijos

    May


  2. Guerra!!!!
    Pk decidir -se a vida assim
    Mas foi sempre assim e continuará a ser
    Existem muitas guerras que não necessitariam existir
    Adoro ler o que escreves tão bem
    Beijos ,

  3. Anonymous Says:

    O mar que leva a tantas reflexões,poesias,deslumbramento,também guarda os sentimentos inquietos,dores,aflições,indagações,sobre o que há de vir.
    O grito das mães,esprime o dilaceramento da alma,diante da situação de sofrimento.Quantas,naquele instante,gostariam de trocar de lugar com seus filhos,e deixa-los
    livre de tantas crueldades.Não impedi-los de viver dignamente,principalmente essa etapa da juventude.
    Vidas que levaram marcas eternamente.
    Quando tudo poderá mudar?!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: