Avô, quantos anos tem?

Uma tarde um neto conversava com o seu avô sobre os acontecimentos actuais.
Então, de repente, ele perguntou: Quantos anos tem, avô?
E o avô respondeu:
-Bem, deixa-me pensar um momento…
Nasci antes da televisão, das vacinas contra a polio, das comidas congeladas, da fotocopiadora, das lentes de contacto e da pílula anticoncepcional. Não existiam os radares, os cartões de crédito, os raios laser nem os patins em linha.
Não se tinha inventado o ar condicionado, a lavadora, as secadoras (as roupas simplesmente secavam ao vento).
O homem não tinha chegado à lua, “Gay” era uma palavra inglesa que significava uma pessoa contente, alegre e divertida, não homossexual.
Das lésbicas, nunca tínhamos ouvido falar e os rapazes não usavam piercings. Nasci antes do computador, das duplas carreiras universitárias e das terapias de grupo. Até completar 25 anos, chamava a cada homem “senhor” e a cada mulher “senhora” ou “senhorita”.Nos meus tempos a virgindade não produzia cancro. Ensinaram-nos a diferenciar o bem do mal, a sermos responsáveis pelos nossos actos. Acreditávamos que “comida rápida” era o que a gente comia quando estávamos com pressa.
Ter um bom relacionamento, era darmo-nos bem com os primos e com os amigos. Tempo compartilhado, significava que a família compartilhava as férias juntos. Não se conhecia telefones sem fio e muito menos os telemóveis.
Nunca tínhamos ouvido falar de música estereofónica, rádios FM, Fitas cassetes, CDs, DVDs, máquinas de escrever eléctricas, calculadoras (nem as mecânicas quanto mais as portáteis). “Notebook” era um livrete de anotações.
Aos relógios dava-se corda dia a dia. Não existia nada digital, nem os relógios nem os indicadores com números luminosos dos marcadores de jogos, nem as máquinas. Falando de máquinas, não existiam as cafeteiras automáticas, os fornos micro-ondas nem os rádio-relógios-despertadores. Para não falar dos videocassetes, ou das máquinas de filmar de vídeo. As fotos não eram instantâneas nem coloridas. Só existiam a branco e preto e a sua revelação demorava mais de três dias. As de cores não existiam e quando apareceram, a sua revelação era muito cara e demorada.
Se lêssemos “Made in Japan”, não se considerava de má qualidade e não existia “Made in Korea”, nem “Made in Taiwan”, nem “Made in China”.
Não se ouvia falar de “Pizza Hut” ou “McDonald’s”, nem de café instantâneo. Havia casas onde se comprava coisas por 5 e 10 centavos. Os gelados, as passagens de autocarro e os refrigerantes, tudo custava 10 centavos.
No meu tempo, “erva” era algo que se cortava e não se fumava. “Hardware” era uma ferramenta e “software” não exista.
Fomos a última geração que acreditou que uma senhora precisava de maridopara ter um filho.
– Agora diga-me quantos anos acha que tenho?
– Hiii!!!… Avô. Mais de 200! Disse o neto!
– Não, querido. Somente 57!

Anúncios
Explore posts in the same categories: ... da Vida

6 comentários em “Avô, quantos anos tem?”

  1. Gwendolyn Says:

    Muito boa, dá para vermos como o mundo mudou em tão pouco tempo.
    É impressionante mesmo, para mim que sou dessa geração (do avô), senti bem claro todas ou quase todas essas transformações. E muitas vezes não paramos para refletir sobre essa aceleração. E sobre o que foi bom e o que foi ruim. No que ganhamos, e no que perdemos.

    Beijos

    May

  2. Anonymous Says:

    A globalização,a tecnologia,progresso,tudo tão rápido,modificando a vida.
    Mas ,a beleza, histórias,e o encantamento pelas pequenas coisas foram deixando de lado.Pena,pois histórias,e sabores marcam a vida da pessoa
    NUnca, como hoje o ser humano se sentiu tão só,carente de bases firmes.
    Que pudesse,mesclar o progresso,e vivência human
    Ligia

  3. Brazyluz Says:

    Dê uma boa olhada ao seu redor,

    e entenda que sua vida agora mesmo

    é o resultado de todas

    as suas escolhas no passado.

    Você gosta do que vê?

    Certamente você andou muito para chegar até aqui.

    Você sobreviveu e deu um jeito de estar onde está.

    Existem coisas que poderiam melhorar?

    Provavelmente.
    Nunca desista dos seus objectivos.
    Bom fim de semana .


  4. Pois… Bons tempos!

    Dia desse aí numa conversa com minha filha adolescente ela estava a me dizer que seria impossivel viver numa época em que não existiam os Mc Donalds, celulares, Tv a cabo e internet. E viviamos e era bom. Haviam outros valores tão esquecidos hoje me dia, esmagados pelo avanço da tecnologia…

    Um beijo e tem um ótimo fim de semana!!


  5. Olá

    Espero mesmo k não feche o outro blog e um dia venha refaze-lo
    Este aki esta lindo, alias vc tudo k faz aki na net é com muita beleza, muito capricho e muito amor
    Mas seja lá, seja aki ou na web sei k teus amigos vão acompanha-lo
    Pk não poderiamos fikar sem suas belzas de textos
    beijos e tenha um lindo domingo

  6. Helena Says:

    pois é Zé…vivemos numa epoca onde a tecnologia fez um grande passo para a frente, onde o homen poisou na lua..mas o lado disso os conflitos nao deixaram de ser, crianças morrem a fome..
    um beijo


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: