Sim ou Não


Quando falamos em Sim ou Não, não perguntamos se sim ou não à vida, não creio que homem ou mulher dissessem sim ao acabar uma vida.

E vida não e só a partir das 12 semanas, vida é a partir do momento em que o espermatozóide penetra no óvulo, ai se cria logo uma vida.

A pergunta é se estamos de acordo, que o aborto seja considerado crime, com as excepções previstas na lei, ou se somos a favor que o mesmo seja legalizado, ou seja, que deixem de morrer mulheres, quando optam não ter o filho, muitas vezes por razões económicas e sociais, e porque não lhe criaram condições de vida.

Mas quem somos nós para decidir pela mulher? Quem somos nós para julgar ou condenar a mulher? E com que direito podemos criticar?!!

Se dissermos não à despenalização, não haverão abortos? Não haverão mulheres que morrem, por falta de assistência e por falta de apoio?

“A cada 6 minutos morre uma mulher vítima de um aborto clandestino feito em más condições, não deveriam ser elas a decidir o que era melhor para elas?”

A legalização, serviria pelo menos para assegurar a vida destas mulheres, todos nós sabemos que são nas classes mais pobres, onde esta prática é realizada com mais frequência, e sabemos também que há e hão-de haver em todas as classes, a diferença é que nem todas podem faze-lo em clínicas privadas e ate deslocarem-se ao estrangeiro onde são bem tratadas e não correm risco de vida.

É solução prender as mulheres?

Será justo uma criança vir a este mundo, e não ser desejada?

Será justo uma criança não vir a ser amada?

Será justo uma criança não ter a chance de vir a ser feliz?

Será justo, homem ou mulher, governo ou igreja, decidir pela mulher que decidiu, e sabemos nós lá com que custo, optar pelo aborto?


Não é justo.

Seria justo, haver informação, haver condições sociais, haver apoio e haver dignidade na nossa sociedade.

 

Eu votarei de forma inequívoca no SIM

 

in: Jogar com as palavras

Anúncios
Explore posts in the same categories: ... da Política & sociedade

12 comentários em “Sim ou Não”


  1. Olá, Zé.

    Muito bem colocada a questão e também concordo contigo no que dizes. É claro que as condições sociais, a falta de informação, e sobretudo a falta de dignidade levam muitas vezes à esta situação. Lembro-me de ter assistido à um filme há uns 6 anos atrás, cujo título em português é “Regras da vida”, onde a trama se passava durante a segunda guerra, e a temática era justamente esta, a legitimização do direito do aborto emalgumas situações. É muito bom o filme, e tem tudo a ver com o que escrevestes. E quanto ao julgamento das pessoas e instituições em relação à tudo isto, passa apenas por uma necessidade superficial de atender à alguns “valores morais” à serviço da prevalência das ditas instituições, em detrimento da realização e crescimento do SER, o que é fundamental. Havemos sim, que ainda buscarmos evoluirmos nossos questionamentos a respeito de como nos relacionamos uns com os outros, de como lhes damos condições de crescerem enquanto pessoas, antes de simplesmente dizermos Sim, ou não a uma questão que não é tão simples.

    Beijos

    May


  2. A questão é extremamente complicada.
    Como o voto é sigiloso, respondo também com uma pergunta, indo ao encontro da população com a qual trabalhei e trabalho: “- Com a despenalização, quantos recorrerão ao aborto como meio de não usar contraceptivos?”

    Um abraço

  3. Silvia Says:

    Olá

    Maravilhoso este texto
    Verdadeiro e real
    Alias vindo de vc não poderia ser diferente
    Parabéns mais uma vez
    Um beijo e bom final de semana

  4. esmeralda Says:

    estou plenamente de acordo. Sou mulher e adoro crianças . Mas não basta adorar.
    Sou a favor do aborto, pk não é o facto de de a lei não permitir que impede a sua pratica.
    muito mais há para dizer mas … fico apenas com este breve comentario.

  5. esmeralda Says:

    tomo a liberdade de dizer umas breves palavras sobre o comentario do Vasco Pereira.
    Caro Vasco sou mulher e digo-lhe que nenhuma mulher recorre ao aborto em alternativa ao contraceptivo e sabe pk? pk simplesmente como deve imaginar fazer um aborto não é facil. concerteza que será bem mais doloroso do que usar contraceptivo. e nenhuma mulher tem prazer de sofrer numa sala d hospital ou clinica. não lhe parece?

  6. António Gonçalves Says:

    É justo uma mulher só por ter um útero decidir se mata uma criança ou não, fruto de duas pessoas?
    O homem só serve para injectar esperma não tem uma palavra a dizer?
    O aborto por ser legal não existiram abortos clandestinos?
    É justo num país que tem 327 mil doentes á espera de uma cirurgia ter as salas de operações ocupadas porque uma senhora não sabe o que é o perservativo a pilula do dia seguinte e que matar o seu filho?.
    Só os homens que se querem eximir da responsabilidade do acto sexual fazer da mulher objecto não apoiar a companheira SÓ ESSES É QUE SÃO A FAVOR DO ABORTO LIVRE OU QUE JÁ OBRIGARAM UMA MULHER A FAZE-LO.
    Qual é a coisa mais bonita que uma crinça a sorrir?
    Em vês de matar as crianças deviam apoiar as mães solteira e não chamarem putas aquelas que desejam ter os filhos mesmo sendo solteiras.
    Por tudo isso eu VOTO NÃO.

  7. Céci Says:

    Caro António,

    Por haver mentalidades como a sua é que a mulher precisa recorrer ao aborto.
    Há muita coisa injusta neste mundo infelizmente, mas do corpo da mulher só ela pode e deve decidir. Não é por pessoas como o Anónio dizer Não à liberalçização do aborto, que ele não vai existir, pense nisso! A interrupção voluntaria da gravidez, foi e será uma opão da mulher, que não o faz por prazer, mas sim por necessidade, pk muitas veses a sociedade e a vida, não a faz ter outra opção.

  8. Veyron Says:

    A frase ideal seria:

    “Concorda com a interrupção voluntária da gravidez nos casos de risco de vida para a mãe, feto ou nos casos em que foi detectado problemas genéticos no feto, que comprometam a sua vida futura?”

    Aí responderia sem dúvidas SIM. No entanto, a frase é outra e, como para abranger estes casos infelizmente tem que se votar SIM, no entanto não concordo com a solução do aborto como contraceptivo.

  9. Manuel Gomes Says:

    Muito bom o texto sobre matéria tão sensível. Eu voto pela liberdade da mulher. É ela que deve decidir o caminho da felicidade, da sua felicidade…, e isto nunca pode ser considerado crime em qualquer sociedade de homens e mulheres livres. Os que defendem a criminilização da IVG, são os mesmos que defenderam a invasão do Iraque e de outros tantos Iraques nos últimos trinta anos e aí nunca lhes ouvi a reprovação pelas consequências mortais de crianças provocadas por estes acontecimentos tremendamente injustos e desumanos.
    Um Abraço

  10. Helena Says:

    ola Zé!
    teu texto esta muito bom e o comentario do “Manuel Gomes” também…
    so queria dizer a mais que o aborto existe e sempre existera seja ele o nao proibido..
    normalizar o que exista é simplesmente para que ele seja feito em boas condiçoes, é uma questao de saude publica…a mulher merece isso, ela nao faz isso por prazer..também nao sera por isso que havera menos abortos…o que falta sao campanhas de informaçao sobre a contracepçao afim de evita-los…
    um beijo

  11. Elisabete Says:

    Olá Zé!

    Não posso deixar de comentar o texto …em parte concordo plenamente !
    Mas repara :

    Se o “Não” ganhar, ainda é possível fazer alguma coisa para diminuir o aborto clandestino. Campanhas de informação que expliquem às mulheres que não tenham medo de recorrer ao hospital ou ao seu médico de família e colocar o seu problema: há muitas situações em que o aborto pode ser realizado legalmente, designadamente aquelas relacionadas com aspectos psicológicos, que a actual Lei prevê.
    As mulheres que recorrem ao aborto por desespero (e há situações terríveis que nem gosto de imaginar) terão a ajuda do médico e, se for justificável, o aborto será realizado dentro da lei.

    o “Não” é um incentivo a que se procurem outras soluções, mais dignas e mais humanas. O “Não” é um sinal de que os portugueses não se demitem das suas responsabilidades. O “Não” é um sinal claro de que queremos uma sociedade melhor, de que escolhemos o certo em detrimento do fácil.

    O “Não” não é uma condenação a mulheres desesperadas. É uma mensagem de esperança em que é possível fazer melhor do isto. É possível resolver os problemas em vez de os ignorar e atirar o lixo para baixo do tapete.

    Vote em consciência e com informação.
    Eu vou votar “Não” e tenho a consciência tranquila.

    Elisabete Pinheiro

  12. Renata Silva Says:

    Eu acho que já comentei sobre este assunto em qualquer lado, mas volto a fazê-lo com muito prazer. Em primeiro lugar sou mulher, e também tenho o prazer de ser mãe, mas quando engravidei da minha filha mais nova pus a hipotese de abortar, não porque não quisesse ter mais filhos mas sim devido a circunstâncias da vida, que não vale a pena falar delas aqui, mas não tive coragem de o fazer, hoje orgulho-me muito da minha filha, por isso digo com convicção que secalhar não era capaz de o fazer, mas estou plenamente de acordo que se possa fazer livremente com consciencia, até porque, sim é verdade que morrem muitas mulheres que não o podem fazer em condições dignas, e, sabemos lá se as mulheres que sentem necessidade de o fazer não estarão a sofrer? e esses homens que se dizem homens, e se acham no direito de decidir pelas mulheres, quantas vezes as abandonam, e quando as abandonam, normalmente e infelizmente abandonam também os filhos que fizeram questão de ter, não se importando com o seu destino, então aí já não se lembram que um dia fizeram questão de decidir pela mulher, isso já não é crime? que visão fantástica tem a nossa lei sobre o aborto. E, então, quando há violação a nossa lei prevê o aborto, aí já não é considerado crime? então resolve-se um crime (violação) com outro crime? como é fantástica a nossa lei, e eu sei do que falo, porque lido com leis todos os dias. Muito mais haveria a dizer a esses “Senhores” que se acham, coitados, e os padres? quem são eles para opinarem sobre isso, se nem casados são, e muito menos têm a preocupação de trabalhar para manter uma família, nem sequer se preocupam com nada a não ser dizerem, ( a mim não porque não sou católica, precisamente por coisas destas e outras) “tende paciência, são os designios de Deus” é que nós vamos pôr esses conselhos na mesa quando chegar a hora de alimentar os filhos, tenham dó. E as crianças “depositadas” em centros de acolhimento para serem adoptadas, que não têm ninguém que os queira? já pensaram que podem nunca terem sido desejadas e como não se pode fazer aborto, vão para lá não é? Fantástico. Acho que por hoje já chega, e, já dá que pensar.
    Um beijo
    Renata Silva


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: