E porque não dissemos nada…

Na primeira noite, eles se aproximam

e colhem uma flor de nosso jardim.
E não dizemos nada.

 

Na segunda noite, já não se escondem,

pisam as flores, matam nosso cão.

E não dizemos nada.

 

Até que um dia, o mais frágil deles, entra

sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua,

e, conhecendo nosso medo,

arranca-nos a voz da garganta.

 

E porque não dissemos nada,

já não podemos dizer nada.

 

Maiakovski

Anúncios
Explore posts in the same categories: ... da Poesia

8 comentários em “E porque não dissemos nada…”

  1. Silvia Says:

    Bom dia!!!

    Quando calamos corremos muitos riscos, não podemos calar diante dos erros k vemos a nossa frente , no nosso caminho, um pequeno erro hj pode se tornar num grande amanhã, por isso vamos sempre dizer quando não concordamos com algo, sempre reclamar

    Adorei ver vc aki de novo
    Beijos e boa semana


  2. Oi, Zé!

    É sempre muito bom ver você aqui nos Retalhos, trazendo coisas maravilhosas como
    este post, que mostra como a nossa omissão, a nosso desrespeito por nós mesmos acaba na maioria das vezes nos aniquilando, nos tornando simplesmente algo que já não conta mais, sem forma de expressão, sem ação. Sinto que agimos assim em relação à muitas coisas, principalmente em relação à nossa paz, e às nossa qualidade de vida ambiental tão danificada por mentes insanas. Muito oportuno este presente que você nos dá que é um convite à reflexão e ação. Parabéns.

    Beijos

    May

  3. Maria Says:

    Sim, porque não dizemos nada, porque ficamos calados perante tanta coisa com a qual não concordamos, mas como nos calamos os nossos governantes e os demais do poder vão fazendo tudo o que lhes dá na real gana. Se conquistámos a liberdade para falar porque nos calamos? Porque não gritamos bem alto o que nos vai na alma e que muitas vezes quase nos sofoca, porque perdemos a esperança …

  4. Zé Pedrulho Says:

    Pois é caro amigo na Historia da Humanidade, há sempre desses ladrões, tal como os que não conseguem “…dizer nada…”

  5. Ricardo Says:

    Agora, 100 anos depois, de tantos não dizermos nada… quem sabe… começaremos a gritar bem alto!!!
    Será q. vamos entender q. sempre é hora?

  6. Charles Says:

    Esse poema é de Eduardo Alves da Costa no livro “No caminho com Maiakovsky” (é equivocada a atribuição do poema a Maiakovsky)

  7. Lumen Miranda Says:

    Estes versos são parte do longo poema “No caminho com Maiakóvski” (1968) do brasileiro Eduardo Alves da Costa.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: