Sidónio Muralha “Poemas de Abril”

O barco era belo
rasgaram-lhe as velas,
intrusos cuspiram
no seu tombadilho
e o homem sem barco
seguiu pela estrada
com ondas redondas
rolando nos pés.

Gastou os sapatos
de tanto horizonte,
quis beijar a vida
ninguém o deixou,
quis comer, quis beber,
disseram que não,
sentiu-se doente
mas não tinha cama.

Soprou temporais
no sangue, nas veias,
e todo o seu corpo
foi fúria e foi quilha,
cercaram-no logo
com altos rochedos
e o homem sem barco
teve que evitá-los.

Na estrada sem nada
dos tristes humanos
com pernas-farrapos
o homem lá vai,
sem eira nem beira
de bolsos vazios
com os olhos ocos
marejados de mar.

sidoni041.jpg

Anúncios
Explore posts in the same categories: ... da Poesia

One Comment em “Sidónio Muralha “Poemas de Abril””

  1. O. Neto Says:

    Um grande poeta Sidónio Muralha!…

    E para reforçar a minha ideia, aqui fica um extracto do poema “Amanhã”

    “- os que tiverem frio hão-de lançar os meus versos ao lume,
    e a chama há-de subir…
    – os que tiverem fome hão-de lançar os meus versos à terra,
    como se fossem estrume,
    e a terra há-de florir…”

    Parabéns, Zé. Vai em frente…


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: